Embarque gourmet

08.08.2012


Por Mauro Marcelo


Companhias aéreas com um serviço de bordo na primeira classe e na executiva que foge do lugar comum

As refeições a bordo da Singapore Airlines: especialidades asiáticas e internacionais

As refeições a bordo da Singapore Airlines: especialidades asiáticas e internacionais
Foto: Divulgação

Os ares foram feitos para voar, comer e beber bem. Este é o bem-vindo princípio seguido por algumas companhias, naturalmente na primeira e na classe executiva, que merecem a criação de pratos exclusivos por chefs renomados e vinhos escolhidos por gente do ramo. Destacamos aqui três empresas que mostram uma atenção especial ao bem-estar gourmand de seus passageiros e que ganharam prêmios internacionais pela excelência de seu serviço.

A Singapore Airlines, com três voos semanais a partir de São Paulo para Singapura, com estratégica escala em Barcelona, trouxe recentemente seu chef e diretor geral de alimentação, Hermann Freidanck, à capital paulista. Objetivo: orientar a empresa de catering Gate Gourmet como preparar os pratos criados por ele para as duas principais classes de voo, assim como dois pratos desenvolvidos pelo tri-estrelado chef francês Georges Blanc.

 

 

A intenção é servir pratos adequados ao ambiente pressurizado. Na foto, ostras
a bordo da Singapore


A intenção é servir pratos adequados ao ambiente pressurizado. Na foto, ostras a bordo da Singapore
Foto: Divulgação

Cada receita, de inspiração asiática ou da moderna cozinha era degustada pelos chefs, seguindo-se uma agitada troca de opiniões a respeito de apresentação, temperatura, consistência, tempero e adequação ao voo. Esse último item é muito importante porque, explicou Freidanck, o olfato e o paladar são afetados pela pressão, temperatura e umidade do avião, fazendo com que o gosto e a textura sejam percebidos de modo diferente. A dosagem de sal e pimenta é fundamental, completou o chef, indicando ainda que boas refeições a bordo ajudam a tranquilizar o passageiro e até contribuem para apressar o ajuste do relógio biológico ao fuso horário no país de destino.

A escolha dos vinhos também passa pelo critério de adequação aos ares, além da desejada harmonia com os pratos servidos. Vinhos com acidez acima do desejável não são indicados e as empresas contratam especialistas, muitos Masters of Wine, para a seleção. Normalmente são vinhos de primeira linha e, como exemplo disso, a Singapore estourou no ano passado 63 mil garrafas de champanhe Dom Pérignon e Krug na primeira classe.

 

 

Conforto e tranquilidade junto a bons pratos e vinhos, lema da Emirates

Conforto e tranquilidade junto a bons pratos e vinhos, lema da Emirates
Foto: Divulgação

Outra empresa que oferece um serviço de bordo impecável é a Emirates, com voos São Paulo/Dubai e, desde o início do ano, também com voo diário e direto entre o emirado e o Rio de Janeiro, com extensão a Buenos Aires.

Nas duas classes principais as refeições são à la carte, sistema que permite ao passageiro escolher no menu o que comer e no momento que desejar. Canapés frios são servidos antes do almoço ou do jantar composto de cinco pratos, com uma opção de aperitivo e entradas, sobremesa quente ou fria, vinho do Porto, cinco tipos de queijo, frutas frescas, chá e café, além de licores e bombons. E, claro, bebidas diversas, sobretudo vinhos, entre eles o Dom Pérignon 2000, o branco francês Meursault 2006 do Domaine Bouchard Père & Fils, o Bordeaux Château La Lagune 2005 e o Vinho do Porto Dow’s Vintage 1985 (exceto nos voos com destino à Arábia Saudita).

 

 

A Qatar oferece pratos de várias procedências e especiais dietéticos

A Qatar oferece pratos de várias procedências e especiais dietéticos
Foto: Divulgação

E a Qatar Airways, com voos São Paulo/Doha, também com partidas para Buenos Aires, além de cuidar com esmero das refeições servidas na primeira e na executiva, atende exigências dietéticas especiais com 18 opções diferentes, selecionadas antes do voo. Exemplos: refeições hindu, kosher, sem glúten, com baixo teor calórico, só de frutas, vegetariana em seis versões e até mesmo pratos com estrita receita médica.

A empresa adapta os menus aos países de destino, com opções variadas em preparações tradicionais ou de acordo com técnicas culinárias modernas. E naturalmente o passageiro das duas classes tem também ao seu dispor uma seleção de vinhos grands crus e champanhes, destacando-se, entre outros, o champanhe La Grande Dame 1996, o branco francês Chassagne Montrachet Michel Coutoux 2004 e o tinto Mas de Daumas Gassac 2003, do sul da França.

Essas companhias aéreas, novatas no Brasil, provam que a viagem pode ser bem mais do que apenas sentar na poltrona e aguardar a hora da chegada. O prazer ganha outras referências.

*Texto por Mauro Marcelo - Colunista iG luxo